07/08/2018

Vila da Casas Conceito vai ativar as memórias afetivas do público




Uma vila iluminada com gambiarras, com o caminho marcado por animais feitos de material reciclado, como embalagens plásticas e garrafas pet pelo artista André Fernandes, comidinhas sendo vendidas em bicicletas, as famosas food bikes Senhor Gourmet, Abaratto Gourmet, Jauris Beer, Marula Bar, Açaí N’ativa, Latitude 13 e Coxa Coxinha; dois food trucks – Tá rebocado e Dia Mari Pizza – e lojinhas de produtos diversificados como a SL Brands, Cristalli Óticas e Serrara. Tudo isso num clima que remete às nossas raízes, às pequenas cidades do interior, mas com um toque de requinte e sofisticação. Esse é o cenário da Vila da Casas Conceito, mostra de decoração que abre as portas para visitação nesta terça, 7, seguindo até o dia 16 de setembro, numa área verde de 12 mil metros quadrados, em pleno Horto Florestal.

A mostra, que reúne duas construções onde os profissionais de arquitetura, designers de interiores e paisagistas montaram seus ambientes decorados, terá ainda uma Vila com cinco espaços totalmente integrados com a floresta urbana. São eles: Casa da Árvore Mangueira, por Regi Amaral; Suíte de Hóspedes Sumaúma, por Iamna Smarcevscki, Refúgio do Artista Eucalipto, por Horácio Urpia e Márcio Tanajura; Gazebo da Aroeira, por Camila Maia e Studio de Joias Ipê Rosa, por Bianca Mota e Marta Azevedo.

A mostra estará aberta à visitação diariamente, das 16h às 22h. 

Conheça os profissionais e os ambientes da Vila da Casas Conceito:


Refúgio do Artista Eucalipto




Um cantinho bem aconchegante para um artista, onde ele possa receber os amigos para um bate papo, conversar com seus clientes, e que também seja um espaço de trabalho e um refúgio. Essa é a proposta dos arquitetos Márcio Tanajura e Horácio Urpia para o Refúgio do Artista Eucalipto. “A ideia é que seja um ambiente confortável onde ele possa ficar sozinho para trabalhar um pouco, ler um livro, ouvir música, enfim, um lugar onde poderá se isolar um pouco e ficar bem à vontade”, explica Márcio. A dupla se inspirou em um fotógrafo que trabalha viajando e registrando paisagens.

O espaço foi desenvolvido a partir de materiais sustentáveis como madeira e palha, usados respectivamente nas paredes e teto, tirando proveito da iluminação natural a partir do uso das transparências através de vidros. De acordo com Márcio, os dois buscaram referências nas casas de fazenda dos seus avós, cercadas de muito verde, madeiras e móveis em couro. O mergulho nas raízes, não os afastou da contemporaneidade. “Após a definição de todos esses elementos, conseguimos trazer para a contemporaneidade de modo que nos remetesse ao passado, mas com uma releitura atual e atendendo às necessidades do nosso espaço”, diz Horácio. O resultado é um ambiente que reúne conforto, design, funcionalidade e, claro, a estética. 

Stúdio de Joias Ipê Rosa




A designer de interiores Marta Azevedo e a arquiteta Bianca Mota levam um ambiente inovador para a primeira edição da Casas Conceito. Trata-se do Stúdio de Joias Ipê Rosa, que ficará dentro de um container na Vila da mostra. “Com toda a pluralidade da mulher multitarefas – mãe, mulher e profissional – correlacionamos a mulher como uma joia, pela sua beleza atemporal, assimétrica, diferenciada e, principalmente, para ser admirada”, explica Bianca. Dentro deste conceito e unindo funcionalidade ao espaço, a dupla vai apresentar um estúdio de joias onde a designer explora sua criatividade, cria suas peças e recebe os clientes. “Imaginamos uma mulher jovem e moderna, multifacetada, elegante, empresária de sucesso, detalhista e determinada”, entregam. As profissionais utilizaram no projeto vidro Habitat acústico com proteção solar, que revestirá toda a fachada. 

Suíte de Hóspedes Sumaúma



Participando da primeira edição da Casas Conceito, a arquiteta de interiores Iamna Smarcevscki escolheu fazer o Bangalô Suíte de Hóspedes Sumaúma, que ficará na área externa da mostra,  na Vila. O espaço tem como conceito ser um ambiente com décor que equilibra o moderno com uma boa dose de peças garimpadas. “Pensei num visual fluido, em que o espaço fosse usado por todos e recebesse os hóspedes no meio do verde, trazendo a paz que todos nós procuramos”, conta.

Neta do artista plástico Lev e filha do arquiteto Ivan Smarcevscki, Iamna não poderia deixar de lançar mão de obras de arte no seu espaço. “Arte é algo que aprecio muito, que aprendi com meu avô e meu pai, que é um grande apaixonado por arte, por isso tento sempre passar essa importância para meus projetos”, diz. Outra herança que ela leva para a mostra é a lembrança da vida na natureza, fosse na fazenda ou no mar, traduzida pela utilização do bambu, na fachada, e o aproveitamento da água da chuva, numa atitude sustentável. A sustentabilidade também está marcada na utilização de materiais de reflorestamento, como o OSB das paredes,  as luminárias com lâmpadas de L.E.D. e os ventiladores com baixo consumo para climatizar o ambiente.

Gazebo da Aroeira



A valorização da arte baiana foi o ponto de partida para o Gazebo da Aroeira, idealizado pela arquiteta Camila Maia para a primeira edição da Casas Conceito. “Quem viveria nesse ambiente seria uma pessoa cool, que valoriza a arte local e os reflexos do dia-a-dia na cidade e por isto trouxemos artistas baianos, através do design de móveis, esculturas, cerâmicas e telas”, ela conta. A materialização do espaço partiu do princípio de um ambiente confortável, com uma lateral totalmente transparente para manter a relação de cumplicidades e interação com a vegetação do entorno.

“O nosso principal objetivo é materializar os sonhos das pessoas que nos procuram, usando o nosso dom e a arte e, com base nisso, é preciso antes de mais nada pensar na função do ambiente. A partir daí buscamos o design que irá proporcionar conforto e estética”, detalha a arquiteta. O Gazebo foi montado em estrutura metálica, de fácil instalação e remoção, com um pano de vidro para que a vegetação interaja com o ambiente. “A vegetação foi muito presente na minha história, pois morei numa chácara arborizada e com belos jardins”, justifica Camila.

Casa da Árvore Mangueira 


Um homem solteiro, cosmopolita, mas saudoso de suas raízes, da infância e da família. Este é o perfil do cliente que serviu de inspiração para o arquiteto Regi Amaral criar a Casa da Árvore Mangueira, ambiente que assina na primeira edição da Casas Conceito. Para desenvolver o projeto, o arquiteto buscou utilizar materiais que harmonizassem com a natureza, exaltando a beleza do entorno e o conceito sensorial. “Ao entrar no espaço, o visitante deve ter seus sentidos aguçados, ouvir o canto dos pássaros, o barulho da chuva e resgatar a criança que existe dentro de cada um, despertada pelas suas experiências singulares”, explica. 

Para isso, Amaral integrou a casa ao entorno, mantendo uma linguagem com a natureza, que pode ser observada nas tonalidades dos materiais especificados, no cuidado em utilizar madeiras certificadas. “Optei por um sistema de construção que proporcionasse uma montagem limpa, com mínimo de resíduos possível e aproveitamento de piso de uma das casas existentes no terreno da mostra”. O arquiteto conta que sempre teve o sonho de ter uma casa da árvore quando criança. “Trouxe essa memória afetiva de quando ia a casa dos meus avós, o cheiro da terra molhada, o piquenique com meus primos, enfim o contato mais intenso com a natureza” O resultado é um ambiente que alia o conforto ao design e à funcionalidade, apostando no diferente. “Gosto de tirar as pessoas do lugar comum”. 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário