terça-feira, 25 de abril de 2017

VIVADANÇA reúne representantes do Brasil e de diversos países


A programação inclui dançarinos, coreógrafos, performers, gestores e curadores da Alemanha, Bélgica, Coréia do Sul, Costa Rica, Itália, Israel e Rússia

O Crivo, de João Paulo Gross - Foto: Layza Vasconcelos
  
Idealizado pela coreógrafa e diretora Cristina Castro, o VIVADANÇA Festival Internacional celebra 11 anos.  Maior do gênero no Norte-Nordeste e considerado um dos mais importantes do país, o projeto reúne um conjunto de ações que estimula e fortalece a cadeia produtiva e criativa da arte do movimento, promovendo um espaço de fruição, formação, diversidade, mercado, intercâmbio, diálogo e produção artística. Desta quinta-feira (27), ao dia 07 de maio, uma série de espetáculos, mostras, oficinas, residência artística, além de Rodada de Negócios, exposição e Batalha de Break com b.boys e b.girls de todo o Brasil. Em média, são mais de 500 artistas, 5.000 espectadores e cerca de 50 atividades por edição.
PRÉ-ESTREIA - Uma das novidades é o lançamento do filme “Gaga, O Amor Pela Dança”, uma parceria do VIVADANÇA com o Circuito Sala de Arte e a Vitrine Filmes. Vencedora do prêmio de Melhor Documentário na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2016), a obra, do diretor israelense Tomer Heymann, é sobre Ohad Naharin, um dos mais importantes, inovadores e produtivos coreógrafos do mundo, que redefiniu a linguagem da dança contemporânea.
A exibição marca a pré-estreia do VIVADANÇA, nesta quarta-feira (26), às 19h30, na sala de arte Cinema do Museu (Corredor da Vitória). O documentário entra em cartaz a partir do dia 27 de abril, nos cinemas do Circuito Sala de Arte, integrando a programação do festival.
No início de um novo ciclo, de uma nova década, o festival propõe a reflexão da perspectiva crítica dos discursos, ideias e informações que consumimos e a maneira como todo esse conteúdo vai construindo e conduzindo nosso pensamento, nossa cultura, nosso povo, num contexto em que o país enfrenta instabilidades no campo econômico, perda de direitos sociais e trabalhistas, enfraquecimento e prejuízos de representatividade democrática e manobras políticas partidárias que tornam a corrupção endêmica entre a diversas instâncias de poder.
ESTREIA - Nesse sentido, a montagem brasiliense “De Carne e Concreto – Uma Instalação Coreográfica”, da Anti Status Quo Companhia de Dança (DF), traz uma reflexão muito pertinente sobre a condição urbana humana atual, sob a perspectiva do corpo e da lógica do sistema econômico, na fronteira entre a dança contemporânea, a performance art, a intervenção urbana, as artes visuais e experimentos sociais . Esse espetáculo abre o VIVADANÇA, nesta quinta-feira (27), às 20h, no Teatro Vila Velha.
O festival destaca ainda a comemoração de 10 anos de dois projetos especiais em sua programação: a Mostra Casa Aberta, que celebra a diversidade da dança na Bahia, em diferentes formatos - solos, duos, grupos - com o objetivo de promover uma grande confraternização dos diversos estilos de dança, despertar o sentimento de classe, a consciência de mercado e estabelecer um espaço democrático, agregando grupos, academias, companhias, coletivos artísticos e artistas independentes da dança. Dias 04 e 05 de maio, às 20h, no Teatro Vila Velha.
Este ano, a Mostra Casa Aberta e o festival trazem à tona a importância do ensino, da qualificação e do aprimoramento profissional do dançarino, promovendo dois dias inteiros de oficinas variadas, no Teatro Castro Alves. Dias 06 e 07 de maio, das 9h às 17h30.
Também completando uma década de história, a Batalha de Break VIVADANÇA reúne em sua comissão de jurados a B. Girl Nitro (SP), Lalá Dance (PE) e B. Boy Perna Work (DF), além de DJs de responsa no cenário nacional, como DJ Mamed (MG) e DJ Jarrão (BA). No total, 32 duplas de b.boys e b.girls de diversas regiões do Brasil disputam na competição, promovendo também um grande encontro entre a Periferia e o Centro.
Há ainda um intercâmbio com o festival MOVA-SE (AM), no qual os campeões da Bahia e da Amazônia integram a programação da Batalha de ambos, pelo segundo ano. Dia 07 de maio, às 14h, no Teatro Vila Velha.
Mostra Baiana de Dança Contemporânea - O VIVADANÇA realiza ainda a 4ª Mostra Baiana de Dança Contemporânea e contempla em 2017 seis criações de artistas baianos: “Em breve espaço curto de tempo” (Jorge Silva Cia de Dança), “Casa Azul” (Confraria 27), “Ondinar” (Dejalmir Melo), “Demolições - La Petite Mort” (Thiago Cohen), “Da própria pele, não há quem fuja” (ExperimentandoNUS Cia. de Dança) e “Há Violência no Silêncio?” (Nirlyn Seijas). A mostra fica em cartaz de 27 de abril a 1º de maio, no Teatro do ICBA, Teatro Vila Velha e no casarão Espaço Charriot.
RODADA DE NEGÓCIOS - Os espetáculos são vistos por curadores, diretores e programadores de festivais e plataformas nacionais e internacionais, que também participam da Rodada de Negócios VIVADANÇA, na qual os artistas da Dança terão a oportunidade de fazer contatos e apresentar seus projetos.
Nessa edição participam Marcelo Zamora (SP) - Presidente de La Red de Promotores Culturales de Latinoamérica y el Caribe e Coordenador geral do FIDESP – Fórum Internacional de Dança do estado de São Paulo; Leonardo França (BA) - Curador do IC Encontro de Artes; Iris Macedo (PE) - Diretora da Mostra Brasileira de Dança; Fatima Suarez (BA) - Coordenadora da Jornada de Dança da Bahia; João Fernandes (AM) - Diretor do MOVA-SE Festival de Dança; Verusya Correia (BA) - Diretora do Festival de Dança de Itacaré; Luis Alonso (BA) - Diretor do FILTE – Festival Latino Americano de Teatro da Bahia; Felipe Assis (BA) - Curador do Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia. Dia 29/04, 14h às 18h, no Pátio do ICBA.
INTERNACIONAL - O dançarino e coreógrafo mexicano Francisco Códova, da companhia Physical Momentum Project, apresenta o espetáculo solo “Ohtli”, onde faz uma relação entre a virtude, horizonte e o sentido dos passos, do ser em busca do eterno horizonte. Dia 29/04, 19h, no Teatro do ICBA.
Mestre em Estudos de Teatro e Direção de Cena no Institut Del Teatre e Licenciado em Dança Contemporânea pela Escuela Nacional de Danza (ENDCC), no México, Francisco Córdova também orienta uma residência artística no festival, na qual os participantes vivenciam a criação de estados físicos, mentais e emocionais de fisicalidade, com a proposta de encontrar a verdade em seu próprio corpo. 10 vagas são abertas ao público. De 01 a 05/05, 9h às 12h, no Teatro Castro Alves. A apresentação e o workshop de Francisco Córdova é uma parceria do VIVADANÇA com o Nii-colaboratório.
Sediado na Alemanha, o Internationales Solo Tanz-Theater Festival - ou apenas Solos Stuttgart – é presença marcante no VIVADANÇA há sete anos. Coordenado pelo diretor artístico fluminense Marcelo Santos, o projeto premia anualmente bailarinos e coreógrafos contemporâneos de todos os continentes.
Na programação 2017, “(E)utopia: a journey between Martin, Thomas and John” - Maxine Van Lishout (Belgica); “TZID” - Beatrice Panero e Pasquale Lombardi (Italia); “Entrelacs” - Veronika Akopova (França/Russsia); “Balance” - Louis Thoriot (Bélgica); “Underneath” - Ravid Abrabanel (Israel). Dia 30/04, 19h, no Teatro Vila Velha.
BTCA - Integrando a programação do VIVADANÇA Festival Internacional o Balé Teatro Castro Alves estreia o espetáculo “Lub Dub”, dirigido pelo coreógrafo sul-coreano Jae Duk Kim. A montagem, formada por um elenco de dez dançarinos utiliza em sua criação a percussão como tema e motivação sonora. 
Coreógrafo e diretor da Modern Table Dance Company, Kim se graduou na Universidade Nacional de Artes da Coreia. O artista também atua como coreógrafo convidado da T.H.E Dance Company, em Cingapura, desde 2010, e tem a música como fio condutor do seu trabalho.
Do estado de Goiânia, vem o espetáculo O Crivo, do dançarino e coreógrafo mineiro João Paulo Gross - inspirado no conto “Primeiras Estórias”, do escritor Guimarães Rosa.
Dois intérpretes, juntos, criam relações que só se revelam à medida em que, atravessam suas estórias, o SER-TÃO, o mundo de cada um, solitário, percebendo no recolhimento um mergulho na busca do que permanece, do que nos tornam diferentes e próprios. Dia 03/05, às 15h e às 20h, no Teatro ICBA.  
EXPOSIÇÃO - A Exposição VIVADANÇA, realizada em parceria com o Shopping da Bahia, atrai milhares espectadores, todo ano. As fotos são de João Milet Meirelles com intervenção de Pedro Gaudenz, artista visual baiano radicado em Barcelona. O centro comercial recebe ainda no Dia Internacional da Dança, 29/04, a apresentação do grupo Insight e intervenções em diferentes espaços do Shopping. Praça Mãe Menininha do Gantois – Shopping da Bahia - de 27/04 a 07/05.
O VIVADANÇA Festival Internacional tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia. É uma realização da Baobá Produções. A programação completa você acessa em www.festivalvivadanca.com.br

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário