segunda-feira, 10 de julho de 2017

Colorado inicia seu maior e mais colaborativo movimento para ajudar a valorizar as frutas brasileiras


 - A uvaia, uma representante da biodiversidade do país, só foi provada por 9% da população
- 30% das frutas nem chegam aos pontos de venda por não estarem dentro dos ditos “padrões de aparência”
- A Cervejaria Colorado lança movimento para provocar a população a um novo olhar para esse alimento e a valorizar todos os sabores, e ainda cria uma plataforma de crowfunding que vai beneficiar três iniciativas que valorizem frutas
Foto: Divulgação

Desde que surgiu, há 20 anos, a Cervejaria Colorado traz um toque de brasilidade em  suas cervejas. Água, malte, lúpulo e levedura ganham diversas releituras, inspiradas na diversidade de ingredientes que o Brasil possui. O propósito inovador e curioso, apresentado pelo fundador Marcelo Carneiro, ganhou também uma assinatura de marca, o Desiberne, que busca inspirar e convidar pessoas a perceberem diferentes possibilidades por trás de cada momento da vida, “até os mais rotineiros, como consumir frutas”, explica Marcelo.
E é seguindo essa lógica que a Colorado buscou na biodiversidade de frutas do país a inspiração para sua nova linha de cervejas frutadas. Uma homenagem não só às “biodeliciosas” frutas, mas também, a personagens históricos, lendas e nomes científicos, que se tornaram os nomes dos rótulos dessa linha.
De onde vêm as frutas usadas nas Cervejas Colorado?
As frutas usadas pela Colorado, são todas fornecidas pelo Sítio do Bello, que cultiva frutas típicas do Brasil que não estejam disponíveis no mercado atualmente. A propriedade é localizada em Paraíbuna, interior de São Paulo e, às vezes, respeitando a localidade mais favorável ao plantio, contam com parceiros. No Sítio do Bello, além de encontrar uvaia, grumixama, feijoa, araçá, baru, jenipapo, biribá, cambuci, cambucá, gabiroba, cereja-do-rio-grande, jaracatiá, pitanga e outras, nenhuma fruta é desperdiçada: o que não pode ser aproveitado in natura vira polpa e pode ser aproveitado de inúmeras maneiras.
Ao lançar as cervejas frutadas, a Colorado “desiberna” para uma questão de interesse nacional: as frutas brasileiras, representantes da biodiversidade do país, que são, praticamente, esquecidas e desperdiçadas. Tanto que, entre as frutas usadas na nova linha de cervejas, apenas caju e graviola são conhecidas com amplitude no país, enquanto apenas 9% da população já experimentou uvaia, por exemplo*. E outro dado alarmante diz que 30% das frutas nem chegam ao ponto de venda por causa de sua aparência fora de “padrão”**, e 92% das pessoas as consomem apenas in natura*, não aproveitando outras utilizações como receitas de geleias, sucos, bolos e até cervejas.
A Colorado então decidiu convidar as pessoas para outra visão das frutas, mostrando que todas elas têm qualidade e sabor. As feias, as bonitas, as que ninguém conhece. E criou “O Sabor é Cego”, uma grande iniciativa para que mais pessoas entendam a importância das frutas e valorizem a nossa biodiversidade e apoiem, junto com a marca, pequenos produtores e projetos que priorizam frutas, independentemente da aparência ou origem. Pesquisa realizada pelo Instituto Qualibest demonstrou que as frutas mais conhecidas no país (90% dos respondentes) são banana, abacaxi, maçã. E outras frutas, originalmente brasileiras, foram provadas por uma pequena parcela da dos respondentes, como a amora-do-mato (33%), uvaia (9%), cereja-do-rio-verde (5%) e outras regionais – esses dados sobem ligeiramente quando analisamos por localidade, a uvaia, por exemplo, é conhecida por 22% dos respondentes do sudeste. 
O Sabor é Cego – Desiberne para o sabor
“O Sabor é Cego” é a maior e mais colaborativa ação da Cervejaria Colorado, e provoca as pessoas a valorizarem a biodiversidade e ingredientes brasileiros. Para lançar sua campanha, a marca realizou um experimento social, no Armazém da Vila, em São Paulo. Uma pesquisa de consumo, feita pelo Instituto Qualibest, respondida por mais de 800 pessoas em âmbito nacional, apontou que:
- O consumo de frutas no Brasil aparece como um hábito diário na vida da população (98%), que costuma comprá-las em supermercados/hipermercado. 
- A qualidade das frutas aparece como principal fator de compra e está relacionada a aparência (59%), seguido pelo preço. 
A partir de 12 de junho, a campanha estreia nas redes sociais da marca, com um filme manifesto no Facebook, Youtube e Instagram. O conteúdo será desenvolvido nas redes sociais durante os três meses seguintes, utilizando diversos formatos, como post tradicional, Instagram Stories e Canvas. 
Benfeitoria Colorado “O Sabor é Cego” 
Outra iniciativa que acompanha a ação é uma plataforma de crowfunding, no site Benfeitoria, e que vai apoiar três projetos que usam frutas. São eles: 
Maria Preta Jabuticaba (Campinas): Em uma fazenda centenária no interior de São Paulo, a família cultiva jabuticaba orgânica e produz geleias e compotas. Recentemente também  desenvolveu um método inovador de processar a fruta em pó produzindo um macarrão de jabuticaba rico em antioxidantes, batizado de Jabutipasta.
Clube de Mães Maria de Nazaré (Amazônia): O maior desafio da Amazônia é manter a floresta em pé e existe uma população responsável por isso. Na comunidade de São Sebastião, o Clube cultiva frutas em seus quintais e faz doces de frutas típicas da região para gerar renda e investir na saúde e educação de suas famílias. Contam com o apoio do IPE, Instituto de Pesquisas Ecológicas, que há 30 anos desenvolve projetos para conservação da biodiversidade.
Manacá Orgânicos (Rio de Janeiro): produtores e distribuidores de produtos orgânicos desde 2011. Utilizam a desidratação de alimentos in natura para reduzir o desperdício de frutas e verduras, entregando alimentos de excelente qualidade, como snacks Crakers e a Nana Nuts, com validade estendida e múltiplas possibilidades de uso.  
Os projetos serão abertos para financiamento coletivo usando a mecânica de o Matchfunding das doações, ou seja, para cada quantia arrecadada pelo projeto por meio do sitewww.benfeitoria.com.br/cervejariacolorado,  a Colorado doará o mesmo valor. Esta é uma forma da marca contribuir para a valorização da biodiversidade dos ingredientes brasileiros e para a redução do desperdício.
Conheça as novas cervejas frutadas da Colorado
Nassau: Recife, 1600. Percebendo a importância do caju, Maurício de Nassau estabelece uma multa de 100 florins para quem derrubar um cajueiro. Ribeirão Preto, 2016. Percebendo que uma White IPA poderia muito bem ter um toque brasileiro, a Colorado lança a Nassau. A combinação de uma IPA com os maltes de trigo e o nosso caju. Cerveja clara e não filtrada, sabor marcante com amargor presente na medida. Teor alcoólico 5,8% vol
Eugênia: A Colorado, acredita que coisas boas podem vir da união de duas partes distintas, quase opostas. Por isso buscamos a Uvaia para fazer a nossa Session IPA, uma fruta delicada por fora, mas que carrega uma marcante acidez por dentro. Desta mistura surgiu a Eugênia, nome científico da Uvaia. Teor alcoólico: 4,50%
Murica: Apaixonados pela miscigenação brasileira, casamos a maciez da Cream Ale com o agridoce da graviola, fruta que nasceu no Caribe e cresce no Brasil há mais de 500 anos. Tanto, que já tem até apelido: araticum, coração-de-rainha ou jaca-do-pará, mas o nome de batismo mesmo é Annona muricata. Assim nasceu a Murica, mais um fruto de nossa intimidade com o Brasil. Teor alcoólico 4,7%vol
Rosália: Amora-do-mato, cereja-do-rio-grande e grumixama. Nativas da Mata Atlântica, assim como a inspiração para Rosália, que veio do nome científico de um dos apreciadores naturais desse trio: o mico-leão-dourado, ou Leontopithecus rosalia. De galho em galho, ele passa pela mata em busca das mais deliciosas frutas vermelhas brasileiras. Surgiu, assim, uma fruit beer ácida e com leve dulçor frutado. Teor alcoólico: 4,50%
*Fonte: Pesquisa Qualibest
** Fonte: Embrapa

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário