terça-feira, 11 de julho de 2017

Você sabe o que é disfagia? Especialista tira dúvidas sobre a dificuldade de engolir alimentos



Dificuldade para engolir alimentos líquidos ou sólidos, tosse durante e após as refeições, engasgo frequente, sensação de que a comida está parada na garganta. Esses sintomas podem ser um sinal de que o esôfago não está funcionando da maneira correta e caracterizam a disfagia.  

“Esse problema pode ser causado por distúrbios variados, que podem ser de ordem neurológica, anatômica, muscular e até psicológica, podendo afetar também pessoas que tiveram tumor na garganta”, explica a otorrinolaringologista, Clarice Saba.

A disfagia pode acometer pessoas de todas as idades, mas ocorre com mais frequência com os idosos, que são mais suscetíveis a desenvolver problemas relacionados às suas causas.

De acordo com a especialista, ao perceber uma constância nos sintomas já citados, a pessoa deve procurar um médico otorrinolaringologista que irá examiná-la, solicitar exames como a videoendoscopia da deglutição, caso necessário, e indicar o tratamento mais adequado. “O tratamento pode variar, podendo ser feito com o uso de medicamentos, dieta e fonoterapia para deglutição, que deve ser orquestrada pelo otorrinolaringologista”, complementa a médica.

Além disso, mudar alguns hábitos pode contribuir para uma melhor qualidade de vida das pessoas com disfagia. “Realizar várias refeições em quantidades menores, comer devagar e mastigar bastante os alimentos também pode ajudar a amenizar os sintomas”, conclui Clarice Saba.

Sobre Clarice Saba

Idealizadora e coordenadora do Programa de Apoio a Pacientes com Hiperacusia e Zumbido (PAHZ) da Escola Bahiana de Medicina, conquistou o X Jack Vernon Award, equivalente ao Oscar do zumbido. É diretora técnica do Centro de Otorrinolaringologia da Bahia (CEOB) e preceptora da Residência Médica em Otorrinolaringologia da Santa Casa de Misericórdia da Bahia – Hospital Santa Izabel, Fellow no Jackson Memorial Hospital (USA) e no Groninghen Zienkenhuis (Holanda). É também delegada da Sociedade Brasileira de Otologia e faz parte da Ordem dos Médicos do Brasil (OMB), capítulo Bahia.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário